Livros que você precisa ler

Avatar

capa-avatar

Avatar – 1867 – Editora Pensamento

Benoît Ferrey

França

(1807 – 1875)

A leitura de A Conferência dos Pássaros, de Farid Ud-din Attar, foi a primeira experiência que influenciaria claramente o futuro escritor Benoît Ferrey. A segunda foi a leitura de Baruch Spinoza. E a terceira a amizade com Hippolyte Léon Denizard Rivail, dito Allan Kardec. Em Avatar Ferrey descreve um mundo em que a soma de todas as almas é Deus. Mas, se essa soma é Deus, o número de elementos deve ser fixo, porque aumentar o número de almas no mundo, nesse caso, é dizer que Deus cresce, sendo assim mutável. Para resolver esse problema Benoît Ferrey estipulou um número finito de almas no mundo,  em número de um bilhão. Assim essas almas mudariam de corpo a cada geração, ”trocando de pele como cobras”. O problema é mais significativo com o aumento da população mundial, principalmente depois da Revolução Industrial. Para Ferrey, algumas almas possuiriam mais que um corpo, algumas até dezenas. Isso explicaria o conceito de alma-gêmea e a loucura. Com o passar do tempo, uma única alma podia acumular centenas de corpos, milhares. Isso, explicaria o capitalismo, o comunismo e o colonialismo. Avatar poderia ser uma obra típica do século XIX, um livro-tese. Seus personagens (Escaravelho, Jean-Paul, Gaston, Gaundry, Perrot, Marzagon) careceriam de vigor, pareceriam existir apenas para comprovar uma tese. Mas o fato é que o único personagem parece ser o próprio escritor, assim como Sir Richard Francis Burton.  Ainda assim, Avatar é colocado na estante de ficção nas bibliotecas e livrarias, talvez um erro centenário. Mas só talvez.

Trechos:

“…a alma transmigrara sem deixar de existir em cada um daqueles corpos, serpentes voadoras de múltiplas cabeças…” (Pág. 40)

“…porque a vida estava em todos os cantos, espraiando-se como um mar. Era Deus esse mar.” (Pág. 177)

“Uma alma escolhendo roupa nova, colonizando vidas, arrancando borboletas dos seus casulos.” (Pág. 321)

Tradução: Marcelo Seixas.

Capa do livro A Linguagem dos Pássaros, também conhecido como A Conferência dos Pássaros. Um clássico da sabedoria sufi.

Capa do livro A Linguagem dos Pássaros, também conhecido como A Conferência dos Pássaros. Um clássico da sabedoria sufi.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 20/10/2008 por .
%d blogueiros gostam disto: