Livros que você precisa ler

Só o sol tem direito a suas manchas

Só o sol tem direito a suas manchas – 1986– Ed. Casmurro.

Allan Oppenbach

Inglaterra/Alemanha

(1936)

No princípio era o verbo, diz o Gênesis. Mas o que era antes disso? É essa história da criação do verbo por Deus que Oppenbach nos conta em Só o sol tem direito a suas manchas. No romance Deus é o narrador que tenta criar o verbo primeiramente com o sopro, depois com as batidas das mãos, depois com uma maneira diferente de olhar e, por fim, com grunhidos. Para o autor é evidente a importância daquilo que chamamos mousikè, ou seja, o emprego da palavra transfigurada em sonoridades. Para ele, a sonoridade implica “no desvelamento de sentidos subterrâneos”, como já disse um importante crítico. A prática heideggereana de praticar neologismos que unem o ser e o pensar também faz eco na escrita desse inglês de família alemã. Preocupado com a dinâmica do silêncio e da criação, Oppenbach nos presenteia com uma prosa contundente, difícil de ser recriada. Uma reflexão sobre o ato da escrita e do sexo.

Trechos:

“Ng goo, ossip, tha tha, dum. Clap, clap, hum, ééé, Pa. La. Vra.” (Pág. 25)

“E a toda palavra, a todo verbo, todo adjetivo, dou-lhes alma vivente, todo substantivo crescerá como a erva. E assim foi.” (Pág. 47)

“Eu digo: venho dado toda semente, que agora se chamará palavra, e que cada palavra dê fruto e que cada homem seja escolhido para portar as suas palavras, que também serão chamadas de almas.” (Pág. 91)

“Estou pleonástico.” (Pág. 114)

Tradutor: Antonio Marcos Pereira.

Anúncios

4 comentários em “Só o sol tem direito a suas manchas

  1. Holga
    02/09/2011

    “Ng goo, ossip, tha tha, dum. Clap, clap, hum, ééé, Pa. La. Vra.” (Pág. 25)

    Gosto muito quando ele usa o termo “seikê”. É como se referir a “qualquer coisa” só que de um jeito especial.
    Também recomendo a leitura deste novo de Oppenbach. Um livro, no mínimo, filarmônico.

  2. Bernardo
    02/09/2011

    É isso aí, Holga, O seikê é um desses exemplos heideggereanos que encontramos no livro. Obrigado pela visita.

  3. David Lima
    27/09/2011

    Ótimo blog, escrever é libertar a alma, encontrar-se com um mundo surpreendente, querer sempre mais; é estar sempre envolto pela matéria viva da arte. Meus parabéns! Seu blog é de excelente qualidade. Espero sua visita no meu: comosefossecronica.webnode.com.br, eu escrevo crônicas, versos e artigos de opinião, conto com sua visita… Abraços…

  4. Bernardo
    27/09/2011

    Ok, David. Passarei lá. Obrigado pleas palavras,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 02/09/2011 por .
%d blogueiros gostam disto: